20150227

Carro voador

Carro Voador já não é novidade – mas este realmente se supera parece que já estamos chegando, finalmente, a um produto final.


O AeroMobil 3.0 é mais uma tentativa de finalmente termos carros voadores, algo com o qual a humanidade sonha desde que o primeiro episódio dos Jetsons foi exibido, mas desta vez parece que estamos chegando realmente perto. O primeiro conceito deste carro voador foi criado em 1989 por Stefan Klein, do Departamento de Design de Transportes da Academia de Belas Artes da Eslováquia, e o primeiro protótipo do AeroMobil surgiu em 2010.


O carro tem espaço para duas pessoas, e precisa de uma pista de 200 metros para decolar, e de apenas 50 metros para pousar. A velocidade máxima é de 200 km/h, e a autonomia é de até 700 km.

Veja o vídeo:                                                               

http://www.youtube.com/watch?v=sUnhBHwCq90

Link da postagem fonte:

http://digitaldrops.com.br/2014/10/aeromobil-3-0-o-carro-voador-ja-esta-entre-nos.html

Post (011) - Fevereiro de 2015

Biplano “Russo”

É Bem difícil selecionar entre todas as novidades  tecnológicas – algo que valha a pena postar no blog – este um  biplano “Russo”  - é o que dizia a fonte – teve uma época em que tudo que era esquisito era Russo – não posso afirmar ser verdade.


“Os Russos estão querendo ressuscitar os biplanos, veja este modelo de aeronave para pulverização agrícola - é o PZL Mielec M-15 Belphegor, esta em fase de desenvolvimento, mas promete”

Post (010) – Fevereiro 2015

20150226

A Cerveja que Salvou a Inglaterra

Por mais que Hollywood tente nos convencer do contrário, a guerra é uma coisa horrível, pior que ela só a guerra sem cerveja. O líquido sagrado foi motivo para diversas ações heróicas, mesmo em tempos de paz. Um desses atos aconteceu em 2004, quando um caminhão levando 10 toneladas de cerveja atravessava o rio Irtysh, congelado no inverno russo. O gelo cedeu, o motorista conseguiu escapar mas a carga foi para o funado do rio. 
Uma operação de resgate foi realizada pelo exército russo, mobilizando 6 mergulhadores e diversos veículos. A carga foi recuperada, mas o cabo arrebentou e não içaram o caminhão, mas dane-se, já salvaram o mais importante.

Outro caso famoso foi na 2ª Guerra Mundial, quando a inventividade inglesa evitou que os soldados na Europa passassem pelo horror de uma garganta seca na terra desolada.
Guerras são vencidas por soldados, mas só se o pessoal da intendência deixar.
Nem era por falta de material, a Henegar and Constable, uma cervejaria de Sussex doava cerveja para as tropas, mas os contadores se recusavam a alocar espaço nos aviões ou navios para seu transporete.
Felizmente os bravos soldados britânicos não se deram por vencidos. A terra de James Watt, Newton e Isambard Kingdom Brunel, o maior engenheiro de todos os tempos encarou a situação como um problema a ser resolvido.
Algum sujeito bem esperto reparou que os novos Spitfire Mk IX, equipados com suportes para bombas, foguetes e tanques auxiliares tinha, em essência, tenham capacidade de carregar mais peso, não importava o conteúdo. Experimentando nas oficinas os sujeitos adaptaram os suportes e mecanismos de encaixe e criaram… Barris de Combate. Ou, na designação oficial, Cargas de Profundidade.
Não há informações se os barris podiam ser ejetados em caso de emergência, mas pela integridade física dos pilotos, é melhor que não.
Óbvio que pegaria mal ir pra Inglaterra só para pegar cerveja, mas por alguma misteriosa coincidência ou falha de projeto uma incomum quantidade de Spitfires Mark IX apresentava problemas que só podiam ser resolvidos nas bases das ilhas britânicas.
Depois de um tempo a demanda por cerveja aumentou e os barris de 82 litros não eram suficientes. Mais desocupados fuçaram e descobriram que com uma boa limpeza e remoção do material de proteção interno de um tanque de combustível externo do Spitfire, ele poderia transportar mais carga e se tornava um excelente transportador de cerveja.
Nem todo mundo gostava desses vôos. Tony Jonsson, um finlandês que voou pela RAF   recorda que se um sujeito pousasse de forma brusca e derrubasse os barris seria olhado atravessado a semana inteira, sendo o homem mais odiado por todo mundo no esquadrão.
Estranhamente a Modificação XXX era conhecida e aprovada pela RAF, mas o Governo sendo Governo cismou que aquilo era exportação sem licença e sem pagar impostos, e baixou uma ordem proibindo a prática. Basicamente todos os comandantes e oficiais da RAF ignoraram solenemente a tal ordem.
Texto de Carlos Cardoso – resumido.
Post (009) - Fevereiro de 2015

Gladys O'Donnell

Para começar - vejam o que eu encontrei na net !

Vídeo fabuloso, embora com imagem de baixa qualidade devido aos equipamentos precários daqueles tempos nos mostra uma das aventuras aéreas de Gladys O'Donnell.

Em  1929, "No tempo dos biplanos”, ela era o único piloto mulher licenciada em Long Beach,
Califórnia. Com apenas 40 horas de vôo solo, ela entrou para Air Derby e conquistou o segundo lugar. No ano seguinte, ela entrou novamente e ganhou o primeiro lugar.
Esta garota, Gladys O'Donnell, inglesa, era membro de uma troupe de shows aéreos chamada Black Cats, muito populares nos anos 1920.

Gladys era caminhadora de asa. Neste vídeo ela mostra o seu destemor salvando um avião que havia perdido uma das rodas do trem de aterragem.
Ela leva a roda sobressalente às costas, passa do avião de resgate para o outro, posiciona-se sob a fuselagem a poucos centímetros da hélice, e instala a roda no eixo.

Tudo isso sem pára-quedas...! Uma façanha que muitos mecânicos jamais tentariam mesmo com o avião no solo e com o motor a funcionar.
Este feito não era apenas uma competição, mas um grande avanço para o espírito e a possibilidade de conquista para as mulheres em um capo dominado pelos homens.
Gladys morreu com 82 anos, em casa...

Veja o vídeo original desta façanha:

https://www.youtube.com/watch?v=FIA1wY435fo

Post (008) - Fevereiro de 2015

20150225

Super Tucanos

Não são bem "Novas tecnologias" é mais... são " Nossas tecnologias" - Vejam bem:



Os Norte-Americanos estavam com problemas para achar um sucessor para o A-10 Thunderbolt II.
Eles precisam de um avião leve, com boa autonomia, que fique orbitando por horas atrás de alvos de oportunidade, mas que não custe uma fortuna.

A Força Aérea dos EUA abriu uma concorrência para achar um avião que suprisse sua demanda por aeronaves modernas, e os dois finalistas foram o [b]A-29 Super Tucano[/b] e o AT-6 Texan 2, venerável sucessor do T-6 Texan. Excelente aeronave que tive privilégio de voar, mas que perde do Super Tucano em diversos pontos-chave.

O Texan 2 foi eliminado da competição em 2011 e foi chorar no tapetão, conseguiu que a licitação fosse cancelada. A USAF abriu outra, de novo deu Texan 2 x Super Tucano [b]e — de novo — a Embraer ganhou[/b].  A decisão final saiu o ano passado e renderá inicialmente US$ 427.459.708,00 para a EMBRAER, podendo chegar a US$ 950 milhões. Inclui 20 aviões, peças de reposição, treinamento, computadores de planejamento de missão simuladores de vôo e várias outras miudezas.

Parabéns para todos nos..."é nos na fita" impondo a eles a nossa tecnologia.

Post (007) - Fevereiro de 2015

A madeira balsa (Ochroma pyramidale)

É um tipo de madeira leve, resistente, de crescimento rápido, usada principalmente para confecção de aeromodelos rádio controlados, planadores e outros aeros. Ela é nativa principalmente da América Central, sendo encontrada entre as matas tropicais ao norte da América do Sul até o sul do México.
Pode ter folhagem persistente, mas caso haja uma estação seca muito prolongada, ela poderá perder sua folhas, sendo então conhecido como um tipo de Caducifólia. Sua árvore possui folhas grandes que variam entre 30-50 cm.
A madeira é muito suave (com poucos nós) e leve, além de ter uma casca grossa. Sua Isto faz com que seja um material muito popular para construção de aeromodelos, maquetes e materiais flutuantes como salva-vidas.
densidade quando seca, varia entre 100–200 kg/m³, (aproximadamente um terço de outros tipos de madeiras duras). 
Esse tipo de madeira foi usada na construção de aviões, utilizados na Segunda Guerra Mundial, sendo o mais célebre o famoso De Havilland Mosquito além da construção da famosa jangadaKon-Tiki, usada na expedição de Thor Heyerdahl. A balsa foi também utilizada como piso doChevrolet Corvette Z06 colada entre duas folhas de fibra de carbono. No tênis de mesa, as raquetes são tipicamente construídos com uma camada de balsa colada entre duas camadas de compensados.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Post (004) - Fevereiro de 2015

E-Fan 2.0, avião elétrico da Airbus.

A Airbus apresentou recentemente a aeronave elétrica E-Fan 2.0 durante a Feira de Aviões de Farnborough, na Inglaterra.

O avião E-Fan 2.0 é a segunda geração de aviões elétricos experimentais da Airbus e pode carregar até duas pessoas. Ele conta com autonomia de vôo de 1:15 hora e foi pensando para o treinamento de pilotos.

Pesa 500 quilos e conta com dois motores elétricos com potência total de 60 Kw, alimentados por uma bateria de lítio-polímero de 120 células.
No chão, o E-Fan 2.0 parece um avião comum, apesar de ser pequeno e possuir um formato peculiar. No ar, no entanto, ele é algo completamente diferente por causa da ausência de barulho. Durante a decolagem, a aeronave acelera até 60 km/h .

A opção pelo motor elétrico reduz a emissão de gases responsáveis pelo efeito estufa por parte dos aviões. Segundo a Airbus, uma versão do modelo com capacidade para até quatro pessoas e batizada de E-Fan 4.0 já está sendo desenvolvida pela empresa. A Airbus também está explorando aviões híbridos, nos quais os motores que queimam combustíveis serviriam para carregar as baterias que alimentam os motores elétricos.
A Airbus espera trazê-lo para o mercado em 2017.
Post (003) - Fevereiro de 2015

Os primeiros a atravessar o Atlântico em um avião.

Os primeiros homens a cruzar o oceano Atlântico em um avião foram os pilotos portugueses Gago Coutinho e Sacadura Cabral, em 1922, num vôo unindo Europa (Lisboa) e América do Sul (Rio de Janeiro).
Charles Lindbergh caberia o título de primeiro NORTE-AMERICANO a realizar tal feito ou, se desejarem, o primeiro homem a cruzar sem escalas o Atlântico Norte.
O primeiro SUL-AMERICANO a cruzar o Atlântico foi brasileiro João Ribeiro de Barros, hoje patrono do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica (INCAER), a bordo do hidroavião italiano Savoia Marchetti S-55, denominado "JAHÚ" em homenagem à sua cidade natal.
Savoia-Marchetti S.55 - era um hidroavião produzido na fábrica italiana Savoia-Marchetti no ano de 1924 e comercializado a partir de1926. Logo após o seu lançamento, este hidroavião estabeleceu os recordes de velocidade, carga, altitude e autonomia.
Esta f
oi à aeronave escolhida pelo Comandante João Ribeiro de Barros para cruzar o Atlântico Sul pela primeira vez em 28 de abril de 1927.
Logo a seguir, em 15 de janeiro de 1931 chegava ao Brasil uma esquadrilha de onze S.55 liderada pelo Comandante Italo Balbo. O governo brasileiro adquiriu estas aeronaves pagando com Café – na época nosso principal produto de exportação.

S.55 foi projetado pelo engenheiro italiano Alessandro Marchetti era um projeto moderno, versátil e ousado para a época.
Graças a seu desempenho, este hidroavião tornou-se uma verdadeira lenda, sendo utilizado ativamente durante a II Guerra, até o ano de 1945.

O último exemplar do Savoia-Marchetti S.55 e também o último hidroavião usado nas travessias transatlântica, remanescente daquele período, encontra-se hoje no Brasil. Trata-se do Jahu a aeronave utilizada por João Ribeiro de Barros para realizar a primeira travessia aérea transatlântica da história, entre a África e a América do Sul sem escalas no ano 1927. Atualmente encontra-se restaurado e em exposição no Museu da TAM em São Carlos/SP. É de propriedade da Fundação Santos Dumont.
Post (002) - Fevereirode 2015

Aeromodelismo

Aeromodelismo é o conjunto de atividades que envolvem a construção e o voo de modelos, em escala reduzida de aeronaves. Existem várias categorias de aeromodelismo:
  • VCC ou U/Control - voo circular controlado, no qual o aeromodelo fica ligado ao aeromodelista por meio de cabos, que podem variar de 15 a 18 metros de comprimento.
  • Radio controlado - o aeromodelo é controlado por meio de um transmissor de radiofrequências, das quais podem ser FM, AM, PCM para sistetucanomas de radio mais antigos porém ainda muito utilizados e para os sistemas mais modernos são utilizados sistema 2.4Ghz que são mais seguros não correndo risco de interferência.
  • Voo livre - o aeromodelo, depois de lançado, não sofre mais nenhuma interferência por parte do aeromodelista. Pode ser aeromodelo com motor, com elástico ou sem propulsão própria.
Atualmente a categoria mais praticada de aeromodelismo é o radio controlado (RC).
Eu particularmente optei pelos equipados com motores elétrico, em detrimento de outras formas de motorização em uso.
Os Aeromodelos equipados com motores elétricos utilizam uma alta tecnologia, como por exemplo baterias de Polímero de Lítio (LiPo), motores "Brushless"  (sem escovas), e têm como um dos diferenciais a possibilidade de construir modelos com tamanho e peso reduzidos, como na classe micro, que engloba aeromodelos minúsculos, que chegam a pesar apenas 4 gramas e ter 15 centímetros de envergadura.
Apesar do destaque principalmente para modelos menores, a atual geração de motores "Brushless" e baterias "LiPo" e "LiFePo" permitem a utilização de motorização elétrica em modelos nas mais diferentes escalas, chegando a mais de 10m de envergadura.
Além destas qualidades existem outras vantagens, tais como:
  • Baixo nível de ruído, isento de poluição;
  • Facilidade na montagem de modelos com extrema acuidade de escala visual, pois motores elétricos não precisam de aberturas para escapamento;
  • Facilidade na montagem de aeromodelos multimotores (bimotores, trimotores, quadrimotores, etc.), devido ao menor peso dos motores, ausência de vibração e por ser manterem curvas de aceleração equilibradas entre os diversos motores sem necessidade de cuidados adicionais com regulagens;
  • Envelope de vôo mais abrangente, permitindo pousos lentos, vôos em locais fechados, ou parques;
  • O baixo custo desta categoria, inferior ao custo e a manutenção de um aeromodelo similar a combustão. Mesmo inicialmente sendo recomendável adquirir algumas baterias adicionais e carregador, não existe necessidade de compra de combustível;
  • Facilidade, baixo custo e pouco tempo de reparação quando ocorre danos devido à quedas.
  • Fontes Wikipédia e Forum "Pó de Balsa" - Aeromodelismo.
Post (001) - Fevereiro de 2015

20150224

Finalidade

Hoje estou criando este  blog com a finalidade de reunir em postagens, assuntos referente a prática do aeromodelismo como um esporte sadio e curiosidades da aviação de todas as épocas.


Canela - Rio Grande do Sul - Brasil - 25 de fevereiro de 2015 

Post (000) - Fevereiro de 2015